Fórum Romano

Fórum Romano

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

As Malas esquecidas de Willard Lunatic Asylum e as fontes históricas

                            
Quem nunca imaginou a possibilidade de entrar em um local abandonado e encontrar verdadeiros tesouros do passado?
Claro que alguns imaginam que esses tesouros possam ser riquezas, metais preciosos, jóias... mas nós, os historiadores, apreciamos mesmo é desvendar mistérios e os tesouros por nós escolhidos são objetos que "contam histórias"de seus donos, homens e mulheres que viveram há muito tempo.


Em 2015 li uma matéria no site http://www.ideafixa.com/o-conteudo-de-400-malas-descobertas-em-um-asilo-para-doentes-mentais-abandonado/ que me deixou fascinada!
O Willard Lunatic Asylum era um asilo (estabelecimento para abrigo, como um hospital) para doentes mentais, próximo a NovaYork, nos Estados Unidos, que funcionou do final do século XIX ao final do século XX (1995).
Há cerca de 20 anos, no empoeirado sótão da instituição, 400 malas foram encontradas como se seus donos as tivessem fechado ontem. Estavam intactas, com etiquetas e numeração.
Um fotógrafo, chamado Jon Crispin interessou-se por elas e por suas histórias e deu início a um grande e fascinante projeto para fotografá-las e tentar resgatar a identidade de seus donos. 
Pesquisando mais sobre o tema, encontrei mais informações sobre as malas fotografadas por Jon Crispin e seu fantástico projeto de resgate da identidade desses internos  http://revistazum.com.br/colunistas/viagens-sem-volta/



Ter um doente mental (depressão, alucinações, tristeza, baixo desempenho cerebral)  na família era motivo de vergonha e essas pessoas eram levadas para esses locais. Em geral, as famílias não mais visitavam seus parentes após a internação, ali viveram o restante de suas vidas.
Em geral, após a morte eram enterrados no próprio local,  permanecendo apagados e esquecidos.

A partir do projeto de Crispin, suas histórias estão sendo resgatas: 
Quem eram essas pessoas?
O que pensavam?
O que sentiam?
E essas famílias, como puderam abandonar seus entes queridos dessa forma?


                                         Mala 1: (clique para ampliar)



                                           Mala 2: 



          


Mala 3: 



Mala 4: 



Mala 5:



Mala 6:

 

Mala 7: 



Mala 8: