Fórum Romano

Fórum Romano

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

As malas esquecidas de Willard Lunatic Asylum

                              
Essa semana li uma matéria no site http://www.ideafixa.com/o-conteudo-de-400-malas-descobertas-em-um-asilo-para-doentes-mentais-abandonado/ que me deixou fascinada. 400 malas foram fotografadas em um asilo para doentes mentais dos Estados Unidos, eram malas esquecidas de ex-paciêntes, internados entre o final do século XIX e início do XX. 
Pesquisando mais sobre o tema, encontrei mais informações sobre as malas fotografadas por Jon Crispin. http://revistazum.com.br/colunistas/viagens-sem-volta/
O Willard Lunatic Asylum era um asilo para doentes mentais nas cercanias de Nova York que funcionava desde o século XIX encerrando suas atividades apenas em 1995.
 Ter um doente mental (depressão, alucinações, tristeza, baixo desempenho cerebral)  na família era motivo de vergonha e essas pessoas eram levadas para esses locais. Em geral, as famílias não mais visitavam seus parentes após a internação, ali viveram o restante de suas vidas. Após a morte eram enterrados no próprio local,  permanecendo apagados e esquecidos. 
 Essas histórias sempre me fascinaram, seja por serem incrivelmente tristes, seja pelo mistério:quem eram essas pessoas? O que pensavam? O que sentiam? E essas famílias, como puderam abandonar seus entes queridos dessa forma?
O fotógrafo Jon Crispin coordenou esse incrível projeto de resgate da identidade desses internos.  


Proposta de atividade para os 6˚s anos:

Escolha uma mala: 

Mala 1: (clique para ampliar)




Mala 2: 



Mala 3: 


 


Mala 4:



Orientação para realização de atividade:
-Folha de monobloco entregue pela professora,
-Atividades realizadas a lápis não serão aceitas,
-Não se esqueça de colocar nome na folha de monobloco.
-Verifique a data de entrega no quadro de tarefas de sua sala.
-Essa é uma atividade avaliativa, portanto, valerá nota de Atividade Diversificada. 

1)Escolha uma das malas: identifique-a, exemplo: Mala 1 ou Mala de ...

2) Analise os objetos ali contidos. Você pode utilizar o dicionário inglês-português e traduzir eventuais textos ou títulos de livros;

3) Numere e descreva os objetos ali contidos,

4) Com base nos objetos, levante hipóteses:
a) O proprietário da mala era um homem ou uma mulher? Explique sua escolha.
b) Seria rico ou pobre? Explique.

c) Qual (ais) objeto (s) lhe chama mais a atenção? Por quê?

* Lembre-se: você pode acessar os links acima e saber mais sobre os internos e objetos, inclusive seus primeiros nomes.

Bom Trabalho a todos :)

1˚ano: Pré-História à Antiguidade Oriental

Oi pessoal;Seguem os slides de aula, uma material adicional sobre as pinturas rupestres de Lascaux, na França e uma lista de exercício, como combinamos em aula, apenas o exercício de interpretação deverá ser entregue! Bom estudos a todos;

Lascaux Cave Art

3˚ano: aula 2 a 8 - Antiguidade Clássica à Europa Feudal

Oi gente;

Segue o material das aulas 2 a 8... eficiente essa professora heim????
Fiz uma lista adicional de Grécia e Roma com gabarito ara quem quiser aprofundar.
Bom estudo;


2˚ano: Iluminismo e Revolução americana





2˚ano independência eua cap28 from Kerol Brombal

Leiam os textos e faça o que se pede a seguir, lembre-se folha separada e respostas lindamente caprichadas! 

Voltaire e a desigualdade

            Voltaire escreveu romances, peças teatrais, além de trabalhos sobre filosofia e ciências. Sempre, em seus textos, ele manifesta críticas ácidas e irônicas contra reis, nobres, ministros, religiões, teorias científicas e filosóficas. O trecho a seguir foi retirado do livro Dicionário Filosófico, de 1764, onde discorre sobre a desigualdade: 
            “O que deve um cão a um cão, um cavalo a um cavalo? Nada. Nenhum animal depende de seu semelhante. Tendo, porém, o homem recebido o raio da divindade a que se chama Razão, qual foi o resultado? Ser escravo em quase toda a terra. Se o mundo fosse o que parece ser, isto é, se em toda parte os homens encontrassem subsistência fácil e certa e clima apropriado à sua natureza, impossível teria sido a um homem servir-se de outro. (...) 
            No estado natural de que gozam os quadrúpedes, aves, répteis, tão feliz como eles seria o homem, e a dominação, quimera, absurdo em que ninguém pensaria: para que  servidores se não tivésseis necessidade de nenhum serviço? (...) Todos os homens seriam necessariamente iguais, se não tivessem necessidades. A miséria que avassala a nossa espécie subordina o homem ao homem – o verdadeiro mal não é a desigualdade: é a dependência. Pouco importa chamar tal homem Sua Alteza, tal outro Sua Santidade. Duro, porém, é um servir o outro. (...) Impossível neste mundo miserável, que a sociedade humana não seja dividida em duas classes, uma de opressores, outra de oprimidos. Essas duas classes subdividem-se em mil outras (...) Nem todos os oprimidos são absolutamente desgraçados. A maior parte nasce nesse estado, e o trabalho contínuo impede-os de sentir toda a miséria da sua própria situação. 
            Todo o homem nasce com forte inclinação para o domínio, a riqueza, o prazer e, sobretudo a indolência (...) Tal como é, é impossível o gênero humano subsistir, a menos que haja uma infinidade de homens úteis que nada possuam. Porque, claro é que homem satisfeito não deixará sua terra para vir lavrar a vossa. (...) Igualdade é, pois, a  coisa mais natural e ao mesmo tempo mais fantasiosa. Como se excedem em tudo que deles dependa, os homens exageram essa desigualdade”. 

                                                         VOLTAIRE, Os Pensadores. V. 23. São Paulo: Abril Cultural, 1973. P. 223-224. Adaptado) 

1)    Pode-se afirmar que o texto de Voltaire é um texto iluminista? Apresente argumentos do texto para validar sua resposta. 
2)    Como Voltaire apresenta a desigualdade e a dependência? Relacione às informações à sociedade do período (século XVIII). 

Montesquieu e a divisão dos poderes

            “Há, em cada Estado, três espécies de poderes: o poder legislativo, o poder executivo das coisas que dependem do direito das gentes, e o executivo das que dependem do direito civil. Pelo primeiro, o príncipe ou magistrado que faz as leis por certo tempo ou para sempre e corrige as que estão feitas. Pelo segundo,  faz a paz ou  a guerra, envia ou recebe embaixadas, estabelece a segurança (...) Pelo terceiro, pune os crimes ou julga as querelas dos indivíduos.(...) 
A liberdade política, num cidadão, é esta tranquilidade de espírito que provém da opinião que cada um possui de sua segurança, para que tenham esta liberdade, cumpre que o governo seja de tal modo, que um cidadão não possa temer outro cidadão. Quando na mesma pessoa ou no mesmo corpo de magistratura o poder legislativo está reunido ao poder executivo, não existe liberdade, pois se pode temer que o mesmo monarca ou o mesmo senado apenas estabeleçam as leis tiranicamente. Se num Estado livre todo homem que supõe ter uma alma livre a si próprio, é necessário que o povo, no seu conjunto, possua o poder legislativo”. 

                                 ( MONTESQUIEU, O Espírito das Leis, Livro XI, Cap. VI)

1)    Pode-se afirmar que o texto iluminista? Apresente argumentos do texto para validar sua resposta. 
2)    É possível afirmar que, neste trecho, Montesquieu faz uma oposição entre liberdade e absolutismo? Justifique. 
3)    Levando em conta seus conhecimentos sobre as teorias apresentadas por Montesquieu, compare essas ideias às apresentadas por Voltaire no trecho: “Todo o homem nasce com forte inclinação para o domínio, a riqueza, o prazer e, sobretudo a indolência”. Explique. 

Rousseau e a propriedade

            Do livro: Da origem das desigualdades entre os Homens:

            “O primeiro que concebeu a ideia de cercar uma parcela de terra e dizer “Isso é meu!” e encontrou gente suficientemente ingênua que lhe desse crédito, foi o autêntico fundador da sociedade civil. De quantos delitos, guerras, assassinatos, desgraças e horrores teria livrado o gênero humano aquele que, arrancando as estacas, enchendo os sulcos divisórios, gritasse: “Cuidado, não dê crédito a este trapaceiro; você perecerá se esquecer de que a terra pertence a todos”. (...) 
Comparei, sem preconceito, o estado do homem civilizado com o do homem selvagem, e investigai, seu o puderdes, como além de sua maldade, das suas necessidades e da sua miséria, o primeiro abriu novas portas à miséria e a morte. Se considerardes o sofrimento de espírito que nos consomem, as paixões violentas que nos esgotam e nos desolam, os trabalhos excessivos de que os pobres estão sobrecarregados, a moleza ainda mais perigosa à qual os ricos se abandonam, uns morrendo de necessidades e outros de excessos; se pensardes nas monstruosas misturas de alimentos, na sua  perniciosa condimentação, nos alimentos corrompidos, nas drogas falsificadas, das velhacarias dos que as vendem, nos erros daqueles que as administram (...) e prestardes atenção nas moléstias epidêmicas oriundas da falta de ar das multidões de seres humanos reunidos; (...) “
1) Quais os aspectos iluministas presentes no texto? Explique suas escolhas. 
2) Por que para Rousseau a propriedade privada seria a origem de todos os males sociais?


Exercício 4: 
Leia a seguir os versos do poeta inglês do século XVII Alexander Pope: 

“A natureza e suas leis permaneciam na obscuridade. 
Deus disse; Faça-se Newton
E tudo se tornou Luz”
(ROBERTS, J. M. History of the role. Oxford University Press, 1993) 

a)     De acordo com o texto, indique uma característica do Iluminismo. 
b)    “Século das Luzes”: é assim que se costuma designar o século XVIII. A que deve-se esse título?