Fórum Romano

Fórum Romano

sábado, 14 de abril de 2012

1˚ano: Roma e Grécia

Olá Pessoal, 

Questões adicionais: 
1. (Ufpr 2011)  O trecho abaixo foi escrito por Suetônio, biógrafo dos primeiros imperadores romanos, nascido no final do século I d.C. Trata-se do registro de algumas reformas feitas por Júlio César, logo após este ter assumido o poder. A partir da leitura do texto, analise as principais mudanças na vida dos romanos no contexto do final da República e início do Império romano.

            “Distribuiu oitenta mil cidadãos em colônias transmarinas. Para garantir que a cidade de Roma não ficasse despovoada, proibiu a todo cidadão de mais de vinte e menos de sessenta anos, à exceção dos que servissem no exército, ficar mais de três anos fora da Itália. Proibiu os filhos de senadores de se ausentarem a não ser que estivessem acompanhados de um comandante militar ou magistrado. Obrigou que os pastores tivessem, ao menos, um terço dos criadores púberes livres de nascimento. Aos médicos e profissionais liberais atuantes em Roma conferiu a cidadania, a fim de fixá-los aí e atrair outros profissionais”.

(Suetônio, A vida dos doze césares, Vida de Júlio César, 42.)
  
2. (G1 - ifce 2011)  Acerca das civilizações clássicas, considere as seguintes afirmativas.

I. A civilização grega fixou-se, em princípio, no sul da península Balcânica, nas ilhas do mar Egeu e no litoral da Ásia Menor.
II. Roma foi fundada, segundo a lenda, na região do Lácio, pelos irmãos gêmeos Rômulo e Remo.
III. Ao conquistarem as cidades gregas, os romanos impuseram sobre elas sua própria cultura, eliminando, com isso, os valores filosóficos, racionais, artísticos e religiosos gregos.
IV. Gregos e romanos legaram para a posteridade importantes valores ligados, respectivamente, à participação política dos cidadãos e ao Direito.

Está correto o afirmado em
a) I, II e III, apenas.    
b) II e III, apenas.   
c) I, III e IV, apenas.    
d) I, II e IV, apenas.   
e) I, II, III e IV.   
  
3. (G1 - cps 2011)  Os combates de gladiadores surgiram no sul da Itália, chegaram a Roma no meio século III a.C. e foram oficializados pelo Senado, em 105 a.C. Inicialmente realizados durante as cerimônias fúnebres, pouco a pouco eles foram perdendo seu caráter sagrado e se transformaram em manifestações laicas, no início da era cristã. Apesar de escravos, os gladiadores eram esportistas de alto nível, pois cabia aos promotores das lutas oferecerem um espetáculo de qualidade. Esses combates representavam, para os gladiadores, cair nas graças da multidão, fato que os levava à fama.
Para conquistar o reconhecimento do povo, cidadãos importantes, desde líderes locais até o próprio imperador, ofereciam esses espetáculos ao público.
O governo de Otávio Augusto (30 a.C.- 14 d.C.), visando aumentar a popularidade e diminuir as revoltas dos pobres da cidade de Roma, ampliou a “política do pão e circo”.

(Revista História Viva, ano V, nº 56. Adaptado)

Sobre esse momento da história romana, é válido afirmar que
a) esses espetáculos públicos tinham um caráter puramente religioso e evitavam as revoltas sociais,
pois os romanos temiam a ira de seus deuses.   
b) a “política do pão e circo”, no fim da era cristã, manteve o caráter sagrado dos combates de
gladiadores, pois muitos desses participantes ofereciam sua vida ao deus cristão.   
c) a política do “pão e circo”, ampliada por Otávio Augusto, pôs fim às desigualdades sociais entre
patrícios e plebeus.   
d) os combates entre gladiadores, promovidos nos estádios, serviam para diminuir a insatisfação
popular contra os governantes.   
e) as lutas de gladiadores surgiram no sul da Itália para pôr fim a revoltas sociais ocorridas no
governo de Otávio Augusto, no século III a.C.   
  
4. (Uepg 2010)  Na antiguidade, na Grécia e na Península Itálica, as respectivas sociedades organizavam-se, basicamente, em homens livres (grandes proprietários e pequenos produtores) e escravos. Tanto na Grécia como em Roma a necessidade de manter os escravos em submissão, de ampliar o território e protegê-lo contra os inimigos externos, enfim, a necessidade de legitimar a divisão da sociedade em classes, geraram graves problemas sociais. A respeito desse tema, assinale o que for correto.
01) Durante o período imperial romano, o sistema econômico assentou-se sobre o trabalho livre, realizado em pequenas propriedades familiares, o que possibilitou a diluição dos conflitos sociais.   
02) Em Roma, a Realeza, a República e o Império assistiram à luta entre patrícios e plebeus, ricos e pobres, em episódios marcados por graves conflitos.   
04) Roma procurou dar o caráter de Império ao seu domínio sobre o mundo da época: em diversas regiões conquistadas na Itália concedeu o direito de cidadania a uma parcela significativa da mesma. Após o século III a.C., com a expansão pelo Mediterrâneo, parte das elites vencidas foi igualmente aquinhoada com esse direito.   
08) Tanto na Grécia como em Roma, a expansão escravista desacelerou o surto do comércio, comprometendo as atividades de comerciantes, usurários e artesãos.   
16) Na Grécia, as lutas sociais entre a aristocracia territorial e os setores populares tornaram-se intensas desde o século VII a.C. Politicamente elas se refletiam na revolta das massas populares contra governos que não atendiam suas expectativas: Oligarquia, Plutocracia, Tirania, Democracia, foram formas que, de um modo ou de outro, garantiam os privilégios de poucos.   
  
5. (Fatec 2009)  As civilizações da antiguidade clássica - Grécia e Roma - desenvolveram uma estrutura socioeconômica alicerçada no escravismo. Sobre essa temática, pode-se afirmar que:

I. a escravidão foi indispensável para a manutenção do ideal democrático em Atenas, uma vez que os cidadãos ficavam desincumbidos dos trabalhos manuais e das tarefas ligadas à sobrevivência.
II. a escravidão foi abolida em Atenas quando Péricles estabeleceu o direito político a todos os cidadãos, reconhecendo, dessa forma, a igualdade jurídica e social da população da Grécia.
III. os escravos romanos, por terem pequenas propriedades e direitos políticos, conviveram pacificamente com os cidadãos romanos, como forma de evitar conflitos e a perda de direitos.
IV. os escravos romanos, que se multiplicavam com o expansionismo de Roma, estavam submetidos à autoridade de seu senhor, e sua condição obedecia mais ao direito privado do que ao direito público.

É correto apenas o que se apresenta em:
a) I e II.    
b) I e IV.    
c) II e III.    
d) II e IV.    
e) III e IV.   
  
6. (Pucpr 2009)  O pão faz parte da alimentação básica de vários povos ao longo da história. Os habitantes da Roma Antiga comiam, sobretudo, pão feito de trigo. Preocupado com as populações mais pobres de Roma, o legislador Caio Graco conseguiu a aprovação de uma lei que venderia o trigo mais barato para o povo pobre das regiões urbanas.

Essa lei ficou conhecida como:
a) Lei Canuleia.   
b) Lei Agrária.   
c) Lei Frumentária.   
d) Lei do Colonato.   
e) Lei Calpúrnia.   
  
7. (Upe 2009)  Há muitas especulações históricas sobre as origens de Roma e sua construção como cidade centro de um grande império. Sobre o início da história de Roma, é CORRETO afirmar que:
a) se fundou como obra de gregos fugidos de Atenas e de Esparta, todos relacionados aos ideais de nobreza.   
b) não tinha, no seu litoral, condições para construir bons portos, o que dificultou a sua organização comercial.   
c) foi frequentada pelos povos gauleses, os grandes organizadores da sua vida social e republicana.   
d) tinha territórios favoráveis à defesa natural contra os inimigos políticos, daí o fortalecimento de suas tropas militares.   
e) possuía lendas que explicavam seu surgimento na Península Itálica, embora elas não tivessem aceitação popular.    
  
8. (Uel 2009)  "Lucius Aurelius, liberto de Lucius César, Nicomedes, chamado Ceionius e Aelius; foi criado de quarto de Lucius César e preceptor do divino Verus imperador; foi distinguido pelo divino Antonino com o cavalo público e com o sacerdócio de Caenina, bem como com o pontificado menor; foi feito por este mesmo imperador procurador da pavimentação das ruas e prefeito dos veículos; foi encarregado pelo imperador Antonio Augusto e pelo divino Verus do abastecimento do exército e ganhou uma lança pura, um estandarte e uma coroa mural; procurador das contas municipais; está enterrado aqui com sua mulher Ceionia Laena".
            (Inscrição Funerária. Roma. Século II d. C. In: CARDOSO, C. F. "Trabalho compulsório na Antiguidade". Rio de Janeiro: Graal, 1984. p.138.)

É correto afirmar que o texto:
a) Representa o quotidiano de um aristocrata rural empobrecido e que se tornou funcionário público para sobreviver, indicando uma mobilidade social descendente, o que comprova a seletividade das castas militares na Roma Antiga.   
b) Descreve as funções públicas que um homem livre pobre exerceu ao longo de sua vida, evidenciando que este se tornou rico e poderoso, o que comprova a dissolução das antigas castas da sociedade imperial.   
c) Trata-se de um ex-escravo que deixou registrado em seu epitáfio o processo de ascensão econômica e política pelo qual passou ao longo de sua vida, o que comprova a existência de um processo de mobilidade social na Roma imperial.   
d) Descreve o quotidiano de um nobre pertencente à aristocracia, cujas atividades durante a República eram a guerra e o comércio o que comprova a impermeabilidade dessa casta aos novos ricos vinculado às atividades agrícolas.   
e) Representa o dia a dia de um homem pobre que, ao longo de sua vida, trabalhou como funcionário público, o que comprova a eficácia da mobilidade social na Roma republicana.   
  
9. (Unifesp 2009)  (...) não era a falta de mecanização [na Grécia e em Roma] que tornava indispensável o recurso à escravidão; ocorrera exatamente o contrário: a presença maciça da escravidão determinou a "estagnação tecnológica" greco-romana.
            (Aldo Schiavone. "Uma história rompida: Roma antiga e ocidente moderno". São Paulo: Edusp, 2005.)

A escravidão na Grécia e na Roma antigas:
a) Baseava-se em características raciais dos trabalhadores.   
b) Expandia-se nos períodos de conquistas e domínio de outros povos.   
c) Dependia da tolerância e da passividade dos escravos.   
d) Foi abolida nas cidades democráticas.   
e) Restringia-se às atividades domésticas e urbanas.   
  
10. (Uel 2008)              "Os animais da Itália possuem cada um sua toca, seu abrigo, seu refúgio. No entanto, os homens que combatem e morrem pela Itália estão à mercê do ar e da luz e nada mais: sem lar, sem casa, erram com suas mulheres e crianças. Os generais mentem aos soldados quando, na hora do combate, os exortam a defender contra o inimigo suas tumbas e seus lugares de culto, pois nenhum destes romanos possui nem altar de família, nem sepultura de ancestral. É para o luxo e enriquecimento de outrem que combatem e morrem tais pretensos senhores do mundo, que não possuem sequer um torrão de terra.
            (Plutarco, Tibério Graco, IX, 4. In: PINSKY, J. "100 Textos de História Antiga". São Paulo: Contexto, 1991. p. 20.)

Com base no texto e nos conhecimentos sobre o tema, pode-se afirmar que a Lei da Reforma Agrária na Roma Antiga
a) proposta pelos irmãos Graco, Tibério e Caio, era uma tentativa de ganhar apoio popular para uma nova eleição de Tribunos da Plebe, pois pretendiam reeleger-se para aqueles cargos.   
b) proposta por Tibério Graco, tinha como verdadeiro objetivo beneficiar os patrícios, ocupantes das terras públicas que haviam sido conquistadas com a expansão do Império.   
c) tinha o objetivo de criar uma guerra civil, visto que seria a única forma de colocar os plebeus numa situação de igualdade com os patrícios, grandes latifundiários.   
d) era vista pelos generais do exército romano como uma possibilidade de enriquecer, apropriando-se das terras conquistadas e, por isto, tinham um acordo .rmado com Tibério.    
e) foi proposta pelos irmãos Graco, que viam na distribuição de terras uma forma de superar a crise provocada pelas conquistas do período republicano, satisfazendo as necessidades de uma plebe numerosa e empobrecida.   
  
11. (Uepg 2008)  A luta entre patrícios e plebeus engendrou um lento processo institucional que proporcionou a Roma as condições necessárias para conquistar a Itália e o Mediterrâneo. Sobre este processo, assinale o que for correto.
01) Apenas uma das colônias gregas na península itálica, Talento, recusou a preponderância romana. Pirro comandou a resistência, mas suas vitórias não foram decisivas.   
02) As Guerras Púnicas, conflito entre Roma e Cartago, foram motivadas pela expansão dos persas no mundo mediterrâneo.   
04) A política expansionista de Roma apresentou inicialmente alguns objetivos básicos: a defesa frente a povos rivais e a obtenção de terras para agricultura e pastoreio, mas logo ela tornou-se uma fonte valiosa de riquezas, como metais preciosos e escravos.    
08) Após vencer Cartago, Roma instituiu a reforma agrária nas terras conquistadas.    
16) O fortalecimento do exército romano foi resultado de três fatores: o aumento da população romana, a expansão das conquistas e a experiência adquirida nas guerras.   
  
12. (Ufrgs 2008)  A história da civilização romana foi pautada por seu caráter expansionista, um dos pilares de uma complexa economia baseada nas riquezas oriundas da exploração sistemática dos povos conquistados.
Considere as afirmações a seguir, relacionadas com as estratégias de expansão e submissão adotadas pelos romanos.

I - Os inimigos derrotados eram obrigados a pagar multas e resgates, e a arcar com pesados tributos após a anexação.
II - Os romanos criaram uma vasta rede de abastecimento alimentício entre as províncias e Roma, evitando as tensões sociais decorrentes do flagelo da fome.
III - Os "negotiatores" atuavam como elos comerciais entre Roma e as províncias, e enriqueceram as custas de empréstimos abusivos para os autóctones.

Quais estão corretas?
a) Apenas I.   
b) Apenas II.   
c) Apenas I e III.   
d) Apenas II e III.   
e) I, II e III.   
  
13. (Unicamp 2007)  As figuras escavadas em pedra nos mármores de Elgin, que circundavam o Parthenon, encorajavam as esperanças dos atenienses. Assim batizadas em honra do nobre inglês que as levou para Roma no século XIX, elas podem ser apreciadas hoje no Museu Britânico. Nos mármores estão esculpidas cenas em honra da fundação de Atenas e aos seus deuses. Celebrava-se o triunfo da civilização sobre o barbarismo.
            (Adaptado de Richard Sennett, "A pedra e a carne. O Corpo e a Cidade na Civilização Ocidental". Rio de Janeiro: Record. 2003, p. 37.)

a) O que significava "bárbaro" na Atenas Clássica?
b) Segundo o texto, o que o Parthenon e seus mármores significavam?
c) Explique por que a apropriação desses mármores pelos ingleses se dá no século XIX.
  
14. (Uece 2007)  A história política da Roma antiga é dividida em três etapas: a Monarquia, a República e o Império.
Sobre a participação dos plebeus no Regime Republicano, é correto afirmar:
a)  a instalação da República foi um ato revolucionário dos plebeus, que afastaram os patrícios do poder, criando a Assembleia Popular.   
b)  a criação da Assembleia da Plebe resultou da resistência dos plebeus contra o controle do poder político republicano nas mãos dos patrícios.   
c)  o envolvimento da plebe na "res publica" (coisa pública) romana rompeu com a estrutura social, afastando os patrícios do poder.   
d)  o controle do poder pelos plebeus, criando leis populares, justificou o apoio dos patrícios à instalação do Império de Júlio César.   
  
15. (Fgv 2007)  "Para ganhar o favor popular, o candidato deve conhecer os eleitores por seu nome, elogiá-los e bajulá-los, ser generoso, fazer propaganda e levantar-lhes a esperança de um emprego no governo. (...) Talvez sua renda privada não possa atingir todo o eleitorado, mas seus amigos podem ajudá-lo a agradar a plebe. (...) Faça com que os eleitores falem e pensem que você os conhece bem, que se dirige a eles pelo seu nome, que sem parar e conscienciosamente procura seu voto, que você é generoso e aberto, que, mesmo antes do amanhecer, sua casa está cheia de amigos, que todas as classes são suas aliadas, que você fez promessas para todo mundo e que as cumpriu, realmente, para a maior parte das pessoas."
            (Marco Túlio Cícero, "Notas sobre as eleições")

As práticas políticas na antiga Roma nos fazem refletir sobre as atuais. Essas palavras de Cícero (106-43 a.C.) revelam
a) a concessão de favores, por parte dos eleitores, para cativar os candidatos.   
b) a necessidade de coagir o eleitorado para conseguir seu apoio.   
c) o desinteresse da população diante do poder econômico dos candidatos.   
d) a existência de relações clientelistas entre eleitores e candidatos.   
e) a pequena importância das relações pessoais para o sucesso nas eleições.   
  
16. (Fgv 2006)  Com a expansão do poder romano [sob a República], tornou-se enorme a diferença entre a pequena cidade nascida às margens do Tibre e a Roma todo-poderosa, agora senhora do Mediterrâneo. A economia, a política, a vida social e religiosa dos romanos passaram por profundas modificações.
            (José Jobson de A. Arruda e Nelson Piletti, "Toda a História")

Entre as modificações que se pode identificar está
a) a prosperidade do conjunto da plebe, maior beneficiária da ampliação do mercado consumidor em função das províncias conquistadas.   
b) a disseminação da pequena propriedade, com a distribuição da terra conquistada aos legionários, maiores responsáveis pela expansão.   
c) a crescente influência cultural dos povos conquistados, em especial os gregos, alterando as práticas religiosas romanas.   
d) o enrijecimento moral de toda a sociedade, que passou a não mais tolerar as bacanais - festas em honra ao deus Baco.   
e) a criação e consolidação do colonato como base da economia romana e sua disseminação pelas margens do mar Mediterrâneo.   
  
17. (Ufg 2006)  Leia o texto a seguir:

O texto oferece subsídios para a compreensão do processo de
a) fixação de colônias romanas nas regiões conquistadas.   
b) cobrança dos tributos em escravos e em espécie para Roma.   
c) expansão romana em direção ao Norte, no final do período republicano.   
d) estabelecimento de alianças políticas de Roma com os povos vencidos.   
e) fortalecimento do poder senatorial romano em relação ao poder imperial.   
  
18. (Enem 2000)  "Somos servos da lei para poderos ser livres."
            Cícero

"O que apraz ao príncipe tem força de lei."
            Ulpiano

As frases acima são de dois cidadãos da Roma Clássica que viveram praticamente no mesmo século, quando ocorreu a transição da República (Cícero) para o Império (Ulpiano).

Tendo como base as sentenças acima, considere as afirmações:

I. A diferença nos significados da lei é apenas aparente, uma vez que os romanos não levavam em consideração as normas jurídicas.
II. Tanto na República como no Império, a lei era o resultado de discussões entre os representantes escolhidos pelo povo romano.
III. A lei republicana definia que os direitos de um cidadão acabavam quando começavam os direitos de outro cidadão.
IV. Existia, na época imperial, um poder acima da legislação romana.

Estão corretas, apenas:
a) I e III.   
b) I e III.   
c) Il e III.   
d) II e IV.   
e) III e IV.   
  
19. (Unesp 1999)  "A atividade dos Gracos foi objeto de debates apaixonados e formulavam-se sobre ela os juízos mais diversos (... ). Os políticos romanos dividiam-se nitidamente em dois grupos ou partidos, pelos quais os Gracos eram considerados heróis ou criminosos."
            (M. Rostovtzeff. "História de Roma".)

O autor refere-se aos irmãos Tibério e Caio Graco, tribunos da Assembleia da Plebe de Roma no século II a.C.

a) Como estava constituída a sociedade romana na época de atuação dos irmãos Tibério e Caio Graco?
b) Dê uma razão pela qual os irmãos Graco eram "objeto de debates apaixonados".
  
20. (Unicamp 1997)  "Augusto conquistou os soldados com presentes, o povo com pão barato, e todos os homens com os frutos da paz. Assim tornou-se progressivamente mais poderoso, congregando em si as funções do Senado, dos magistrados e das leis."
                        (Tácito, Anais 1.2, MOSES HADAS, ED., THE COMPLETE WORKS OF TACITUS, NEW YORK, RANDOM HOUSE, 1942, p. 3).

a) Identifique o período da história de Roma tratado nesse texto.
b) A partir dos elementos indicados no texto, caracterize o Estado romano durante esse período.
  
21. (G1 1996)  Por que Roma ficou rica durante as Guerras Expansionistas?

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:
Na(s) questão(ões) a seguir, escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos.  


22. (Ufpr 1992)  Na antiguidade, Roma estendeu amplamente seu território e dominou povos diversos, criando um império em redor do mar Mediterrâneo. São marcas dessa expansão e contatos:
01) A elaboração do "Jus Gentium" ("direito das gentes").   
02) A organização das províncias como unidades administrativas do governo.   
04) A implantação de extensa rede de estradas e difusão do latim como língua oficial.   
08) A democratização da propriedade da terra.   
16) A concessão de cidadania romana apenas aos que tivessem pai e mãe romanos.   
  
23. (Unicamp 1991)  Na Roma antiga, o escravo era considerado um animal de trabalho sobre o qual o senhor detinha o direito de vida e de morte.
a) Em quais condições alguém se tornava escravo na Roma antiga?
b) Relacione três das principais atividades em que a mão de obra escrava era utilizada.
  
24. (Unesp 1991)  Os romanos davam aos fenícios o nome de "puni". Cartago, antiga colônia fenícia, teve que enfrentar Roma numa série de guerras que duraram, com longos intervalos de trégua, mais de um século (264-146 aC). Esclareça o grande motivo da rivalidade crescente entre as duas cidades e indique a principal decorrência para Cartago ao final da terceira guerra púnica.

Bom estudo a todos! 


terça-feira, 10 de abril de 2012

Atualidades

Olá pessoal,

Esta semana trabalharemos com os conflitos do Oriente Médio, localizei um ótimo texto discutido pela Comissão de Justiça e Paz de Portugal em 2002 acerca da questão Palestina. Segue o link: http://www.alfredo-braga.pro.br/discussoes/palestina.html
Retirei as imagens abaixo do mesmo endereço:

Ainda estou esperando a indicação de fotos para quem ainda não me mandou!

segunda-feira, 9 de abril de 2012

100 anos depois do Titanic

Pessoal,

Segue o link sobre a ótima matéria realizada este mês pela revista National Gegraphic, quem puder compre a revista e confira as impressionantes imagens, mas vale também ler on line!

http://viajeaqui.abril.com.br/materias/titanic-100-anos-reliquias#2



2˚ano: Desafio

Olá pessoal,

Observem atentamente a linda imagem abaixo:
1) Descreva a imagem. Qual a provável intenção do autor ao retrata-la. 
2) Qual interpretação pode-se fazer do ato que a gravura representa? 

Senhores e senhoras, deixem um comentário, lembrem-se dos nomes!

A Confederação do Equador:

       Logo após a instituição da Constituição de 1824, a imagem de D. Pedro I viu-se ainda mais desgastada pela deflagração de uma rebelião de grandes proporções no nordeste do território brasileiro. Este movimento separatista desejava estabelecer uma república aos moldes norte-americano. 
      Liderada por Frei Caneca de origem humilde, Joaquim do Amor Divino vendia canecas nas ruas do Recife quando garoto - era uma figura muito popular no Nordeste. De educação liberal e com influência iluminista, Caneca foi um ferrenho defensor da República e lutou por ela entre os anos de 1817 a 1824. A frente do jornal Typhhis Pernambucano atacava o poder central e conclamava o povo à Revolução com o apoio das elites locais. 

     A situação agrava-se quando Olinda e Recife decidem não jurar a nova Constituição, os líderes locais chamavam o imperador de "traidor das aspirações nacionais", era dada a brecha para o início do levante e instauração do governo republicano na região, seguindo o exemplo das colônias espanholas.
    Praticamente toda a região Norte e Nordeste juntaram-se a Pernambuco. 
    O governo imperial sabia dos prejuízos que uma revolta dessa poderia ocasionar, principalmente no que refere-se à manutenção da unidade territorial. 
         Foram 79 dias de combates entre as províncias rebeldes e as tropas imperiais. Derrotados, os líderes foram presos e condenados à morte. 
         O resultado direto da Confederação do Equador foi o desgaste ainda mais latente da popularidade de D. Pedro I. 




7˚s Desafio: Idade Média

Pesquisadores, olá!

Essa é só pra quem é corajoso e quer arriscar! A Atividade abaixo exige habilidades de leitura/interpretação e relação. Leia o texto abaixo e faça o que se pede: 

" (...) “A razão (de ser) dos carneiros é fornecer leite e lã; a dos bois é lavrar a terra e a dos cães é defender os carneiros e os bois dos ataques dos lobos. Se cada uma destes espécies de animais cumprir a sua missão, Deus protegê-la-á. Deste modo, fez ordens, que instituiu em vista das diversas missões a realizar neste mundo. Instituiu uns - os clérigos e os monges - para que rezassem pelos outros e, plenos de doçura, como as ovelhas, sobre eles derramassem o leite da pregação e com a lã dos bons exemplos lhes inspirassem um ardente amor a Deus. Instituiu os camponeses para que eles - como fazem os bois, com o seu trabalho - assegurassem a sua própria subsistência e a dos outros. A outros, por fim - os guerreiros -, institui-os para que mostrassem a força na medida do necessário e para que defendessem dos inimigos, semelhantes a lobos, os que oram e os que cultivam a terra”.
                                                             Eadmer de Canterbury, início do séc. XI

1) A quais animais o texto relaciona as classes estamentais medievais? Explique.2) Você acha que esse texto foi escrito por qual classe social? Explique sua resposta com fragmentos do texto. 

Deixe um comentário com seu nome e sala!