Fórum Romano

Fórum Romano

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

9˚s: Era Vargas

Pessoal,

Em anexo estão os vídeos onde o historiador Boris Fausto fala sobre a Era Vargas. Assistam tudo. Mais abaixo seguem os slides trabalhados em sala + a cronologia da Era Vargas!

Bons Estudos!

O fato histórico refere-se ao passado, mas conforme seja sua dimensão, tem impacto no presente. É tarefa do historiador interpretar e explicar o fato histórico". Neste contexto, Boris Fausto trata a "Era Vargas" no momento da conquista poder, independente das circunstancias que Vargas torna-se um líder centralizador, modernista e autoritário. Essas características lhe proporcionaram um logo período como Presidente da República.





















1930: Governo Provisório
- Criação do Ministério do Trabalho. Promulgadas as leis trabalhistas que determinam limites para as jornadas de trabalho, a obrigatoriedade das férias e do descanso semanal remunerado. A mesma legislação trata de controlar os sindicatos, para dificultar suas ações reivindicatórias.
- Criação o Ministério dos Negócios da Educação e Saúde Pública.
- Vargas nomeia interventores para governar os estados brasileiros. Muitos deles são tenentes oriundos do grupo militar que apoiara a Revolução de 1930.
1932
- Em março, pressionado pelos paulistas, Vargas nomeia o civil Pedro de Toledo como interventor do estado, para substituir o coronel João Alberto, empossado em 1930. Insatisfeitos com o governo, os paulistas iniciaram uma campanha para derrubar Vargas e elaborar uma Constituição.
- Em maio, uma manifestação de estudantes paulistas foi reprimida pelas forças federais e terminou com a morte de quatro manifestantes: Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo. As iniciais de seus nomes — MMDC — tornaram-se uma sigla para os paulistas e impulsionaram ainda mais o movimento.
- Em julho, os paulistas iniciam um confronto armado contra o governo federal. O movimento, conhecido como Revolução Constitucionalista, obteve a adesão da elite mineira. Em outubro, foi sufocado pelas tropas federais.
- Em outubro, é fundada a Ação Integralista Brasileira (AIB), liderada por Plínio Salgado e adepta dos ideais fascistas. Seus integrantes promovem atos públicos à semelhança dos fascistas europeus: uniformes, braços estendidos, desfiles de tipo militar, bandeiras.
1933
- Pressionado pela campanha paulista, Vargas convoca eleições para a Assembléia Constituinte.

Governo Constitucional:

1934
- Promulgada a nova Constituição. São aprovados:
• eleições diretas para os representantes municipais, estaduais e federais; o voto secreto e o voto feminino;
• o ensino primário gratuito e obrigatório;
• a proibição das diferenças salariais baseadas na discriminação por sexo, idade, estado civil e nacionalidade;
• o salário mínimo, a jornada de oito horas de trabalho, descanso semanal e férias remunerados, a indenização em caso de demissão sem justa causa, bem como a criação da Justiça do Trabalho, para fiscalizar a aplicação das leis relativas ao setor.
- Vargas é eleito presidente pela Assembléia Constituinte até 1937, quando seriam convocadas eleições.
1935
- Em março, é criada da Aliança Nacional Libertadora (ANL), liderada por Luís Carlos Prestes e composta por comunistas e simpatizantes de partidos de esquerda. Propunham organizar a população para lutar por um governo mais voltado às aspirações populares.
- Em novembro, a ANL organiza um fracassado levante militar. O episódio é rapidamente controlado, mas Vargas o explora como uma séria ameaça comunista. Prestes é preso.
1936
- A mulher de Luís Carlos Prestes, a judia alemã Olga Benário, presa após a Intentona Comunista, foi deportada para a Alemanha. Vargas não atendeu aos apelos e manifestos que foram feitos em favor de Olga, e ela, grávida de sete meses, foi entregue à polícia nazista. Morreu em 1942, no campo de concentração em Bernburg. Sua filha, Anita, foi entregue à avó paterna, em 1938.
1937
- A pedido do líder Plínio Salgado, o capitão Olímpio Mourão Filho redige um plano de ação comunista (conhecido como Plano Cohen) com o intento de simular uma revolução no Brasil, para efeitos de estudo. Uma cópia do documento chega às mãos do Exército, e Vargas manda divulgá-lo no programa radiofônico “Hora do Brasil”, promovendo pânico na população. A “ameaça comunista” é usada como justificativa para um golpe de Estado: a Constituição de 1934 é suspensa e o Congresso Nacional é fechado.

ESTADO NOVO


1937
- Vargas outorga a Constituição de 1937 e passa a governar com plenos poderes. Os estados voltam a ser governados por interventores nomeados pelo presidente.
- Fechamento da AIB.

1938
- Levante integralista.

1939
- Criação do DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda).

1940
- Instituído o primeiro salário mínimo.

1941
- Fundação da Companhia Siderúrgica Nacional de Volta Redonda, construída com recursos norte-americanos, negociados no acordo que levou o Brasil a entrar na Guerra.

1942
- 19 navios mercantes brasileiros são torpedeados por submarinos alemães. O Brasil rompe as relações com o Eixo.
- Criação da Companhia do Vale do Rio Doce.
- Entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial, ao lado dos Aliados.

1943
- Vargas decreta a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que unifica todas as leis trabalhistas existentes no Brasil. A assinatura do Decreto foi feita no Estádio do Clube de Regatas Vasco da Gama, que estava lotado para a comemoração do grande acontecimento.
- Criação da Força Expedicionária Brasileira (FEB).

1945
- Com o fim da Segunda Guerra Mundial e a derrota do fascismo europeu, Vargas não resiste às pressões internas por democracia e renuncia.